Onde está a felicidade?

Felicidade segundo o dicionário: qualidade ou estado de feliz; contentamento. Bom êxito. E no nosso dia a dia, que é sempre tão corrido, onde as pessoas mal têm tempo para dar “bom dia”, onde será que podemos encontrá-la? Será tão fácil alcançá-la?

Na semana retrasada um colega meu levantou uma dúvida que, por sinal, também me deixou com um ponto de interrogação. Qual verbo se aplica mais à palavra felicidade? Ser ou o estar? Porém, enquanto escrevo esse post vou sanando minha dúvida e o ponto de interrogação vai dando espaço ao de exclamação. Estar feliz varia de momento para momento, de situação para situação, mas nós só somos felizes quando esse estado de espírito está mais presente em nossa vida que aqueles momentos não tão felizes assim.

O mundo capitalista dos dias de hoje foi levando as pessoas a terem uma visão um tanto distorcida da felicidade. Associou-se muito a felicidade com ter dinheiro e uma vida confortável [que é significado de estar bem financeiramente]. O maior erro foi esse. O capitalismo influenciou demais no modo de pensar de boa parte dos seres humanos. Felicidade não é você ter uma conta bancária com muitos zeros à direita, ter o carro do ano, a roupa da moda ou o calçado da marca mais famosa e, muito menos, frequentar as festas mais badaladas.

Podem tentar mudar, mas a realidade é que a felicidade só é encontrada quando não é buscada. Felicidade não é um objeto perdido que as pessoas devem procurar, felicidade é você saber conviver consigo mesmo e com o seu próximo da melhor maneira possível. É ver que a vida não se resume em futilidades. A felicidade só existe quando se há amor, seja em qualquer lugar que for. É do amor que surge esse estado de espírito tão lindo e pleno. Repare, dinheiro não consegue comprá-la, porque a felicidade só chega até as pessoas quando estas não a procuram. Felicidade é você dar um abraço em uma pessoa querida, é você dar valor a momentos tão pequenos, mas que no fundo são os momentos que você jamais conseguirá esquecer.

Felicidade pode estar em um encontro de amigos, em uma reunião entre familiares, no ato de amar o próximo como você ama a si mesmo, [já dizia um dos mandamentos de Deus], de fazer o bem sem olhar a quem, sem esperar receber nada em troca e sentir que fez a sua parte para tentar melhorar o mundo. O dinheiro é importante? Sim, ninguém falou que não é, mas não deve ser tratado como prioridade e sim como consequência do trabalho realizado por qualquer pessoa.

Existem pessoas que trabalham a vida toda só para multiplicar mais todo o dinheiro que já têm e esquecem que a vida está passando, que a felicidade, que muitas vezes mora ao lado, pode estar adormecida esperando apenas ser despertada por elas. O dinheiro pode comprar muitas coisas, mas as mais importantes ele não consegue comprar. Não consegue e nem conseguirá. De que vale tanto dinheiro, festas, roupas, carros, calulares, jóias se você não tem amigos, momentos felizes com eles e com os filhos, pais, tios, avós e vizinhos?

A vida é um instante, é breve, é passageira demais para ser gasta com coisas tão fúteis e pequenas. Viver aspirando algo é adiar o que você poderia viver hoje. Quando se dá conta, a vida passou, você não viveu e a felicidade, que você poderia ter vivido, permanenceu esse tempo todo adormecida, esperando apenas ter sido despertada, mas a sua visão limitada não te permitiu enxergar que ser ou estar feliz é a essência para qualquer jornada da vida na terra.

Vamos dar mais valor aos amigos, aos momentos que passamos com estes e com nossos familiares, ao bem que podemos fazer para com o próximo, as risadas que são soltas ao vento e ao fato de você poder estar vivo e desfrutando de mordomias que muitos não têm. Já é motivo o suficiente para ver e crer que você é feliz. E se acha que, realmente, não é, não deixe o tempo passar mais, vá em busca da sua felicidade, ela está apenas esperando por você.

Anúncios

Vamos caminhar?

Olá, leitores. Excelente quinta-feira a todos vocês. Para hoje, decidi trazer um tema super bacana: a prática de exercícios físicos. A partir de segunda-feira (25) vou começar a caminhar três vezes na semana [segunda, quarta e sexta], das 16h às 18h. Para isso, terei, possivelmente, nada certo ainda, a companhia da minha prima. Vai ser um ajudando o outro a não deixar a peteca cair.

Não resolvi começar a praticar uma caminhada com a intenção de emagrecer, longe disso. Resolvi praticá-la por questões de saúde, para evitar o sedentarismo e me exercitar, ter pique para aguentar certas atividades do dia a dia. Já fiz dois dias de caminhada para começar a pegar o ritmo e para ver se eu iria aguentar. Confesso que não foi tão ruim, pelo contrário, foi muito bom. Hoje mesmo fiz mais um teste e adorei, portanto, segunda-feira é sem parar.

Curioso para saber os benefícios deste tipo de exercício, resolvi pesquisar na internet [aliás, que bom que a internet pode ser sempre útil para qualquer hora]. Fator decisivo para fazer você começar a caminhar: emagrece. É isso mesmo. Aliada a uma boa alimentação, a caminhada pode te ajudar a perder quilinhos indesejáveis. Fator número dois: melhora o humor da pessoa, a deixa mais ativa e vigorosa.

A caminhada proporciona ossos mais fortes, pois o seu grande trabalho se dá nos membros inferiores que sustentam todo o peso do nosso corpo. Melhora a respiração, já que oxigena as células do corpo, e também a imunidade do mesmo. As noites de sono passarão a ser melhores administradas, ou seja, vai fazer você dormir melhor.

Para quem está começando, é melhor não abusar. Vá até onde você aguentar, não queira atropelar nada. Com o passar dos dias seu corpo ganhará mais resistência e você passará a conseguir caminhar por mais tempo. Comece, de preferência, realizando uma caminhada com duração de 30 a 60 minutos. Já é uma boa tentativa e a sua saúde irá lhe agradecer futuramente.

Acho que depois de tantos benefícios aqui mostrados, você não vai querer mais passar horas e horas em frente a um computador ou parado (a) sem fazer nada, não é mesmo? Portanto, mexa-se e comece já uma caminhada ou qualquer exercício físico que te faça bem. O que vale é estar de bem com a saúde.

Dúvidas que rondam o alcoól

Conforme havia prometido no último post, estou aqui para trazer a principais dúvidas que envolvem as bebidas alcoólicas, em especial a cerveja. As respostas foram dadas por Julio Vieira, médico epidemiologista do departamento de neurologia da Universidade de Columbia, ao site da Revista Veja no dia 08 de abril. Acompanhe!

Que benefícios a cerveja traz à saúde?
JV – Diminuem a incidência de diabetes, de infarto do coração, dos derrames cerebrais, pressão alta, aumentam o colesterol bom, mas para quem consome de maneira moderada. O moderado seria duas cervejas por dia ou cinco por semana.

Até que quantidade a cerveja é benéfica?
JV – Duas por dia ou sete por semana. As cervejas devem ser ingeridas durante as refeições para que os componentes benéficos da bebida sejam absorvidos junto com a comida. A cerveja contém ácido fólico, que ajuda a combater doenças cardiovasculares.

Cerveja dá barriga?
JV – Quando consumida moderadamente, entre uma e duas por dia, somada a uma dieta balanceada e a prática de exercícios não dá barriga. Caso a pessoa tome 10 cervejas em um único dia estará incluindo 2.000 caloriais a seu peso o que resulta, sim, no ganho da barriga.

Quem tem diabetes pode tomar cerveja?
JV – Sim, mas moderadamente. O alcoól em geral, principalmente os fermentados, tem efeito anti-inflamatório. A cerveja ajuda a diminuir o risco de quem não tem passar a ter diabetes e para quem já tem, melhora um pouco.

Cerveja previne hipertensão?
JV – Estudos demonstraram que a bebida diminui um pouco o risco da hipertensão. Quando tomada moderamente, a cerveja, aliada a uma alimentação bem balanceada, pode ajudar a prevenir a pessoa da hipertensão.

Por enquanto é só, mas fique ligado no Nossa Conversa. Tem sempre coisa nova pintando por aqui.

* Deixe sua mensagem através dos comentários ou no e-mail do blog: nossaconversa@hotmail.com.br

Os riscos da bebida alcoólica

Não deve ser surpresa para ninguém que a ingestão de qualquer bebida alcoólica faz mal à saúde, mas o que poucos sabem é quais são os reais riscos que que alguém pode correr a partir do primeiro gole. Lendo mais uma das várias matérias interessantes do site da Revista Veja, encontrei uma reportagem sobre esse assunto que deixa qualquer um em dúvida.

Caso você tenha usado a desculpa de que não bebe muito, um aviso: até quem consome o limite permitido para um dia [um taça de vinha, 250 mililítros de cerveja e uma dose de uísque] corre mais risco de sofrer de câncer do que aquelas pessoas que não fazem uso do alcoól.

A pesquisa foi realizada pela Universidade Oxford, na Grã-Bretanha, e, segunda ela, 1 em cada 10 casos da doença em homem e 1 em cada 33 nas mulheres é causado pelo alcoól, na Grã-Bretanha. Vale ressaltar que a maioria dos casos ocorre em quem bebe em excesso, porém os pesquisadores alertam que quem consome moderadamente também pode vir a correr riscos de sofrer de algum tipo de câncer.

Um dado muito importante: o alcoól é responsável por 13.000 casos de câncer por ano – incluindo os tumores de mama, nas mulheres, boca, esôfago e intestino. A pesquisa foi feita com 360.000 pessoas com idade entre 35 e 70 anos de oito países europeus. O consumo diário de 3 doses para homens e uma e meia para as mulheres foi o ponto de partida da pesquisa.

Foi descoberto que os tumores de farige, esôfago, laringe e fígado são os mais comuns entre os que são causados pelo alcoól. “Os resultados desse estudo são um reflexo dos hábitos de consumo de bebida que essas pessoas tinham há 10 anos. Mas hoje se bebe ainda mais, e isso pode ser um sério fator de causa para cânceres futuros”, diz Naomi Allen, que participa da pesquisa.

ATENÇÃO! Amanhã, 15/04, vou estar trazendo respostas para cinco dúvidas frequentes em relação à cerveja que foram publicadas no site da Veja.

Até o nosso próximo encontro.

* Deixe sua mensagem através dos comentários ou no e-mail do blog: nossaconversa@hotmail.com.br

#MeuEspaço

Olá internautas! Excelente segunda-feira para todos que lêem esse post. Na semana passada usei o #MeuEspaço para falar de amizade e sobre uma pessoa que conheci há pouco tempo. Hoje está completando um mês que comecei a falar com ele e surgiu algumas dúvidas na minha cabeça.

Disse que também o estava considerando um amigo, um amigo que, ainda, não posso confiar com 100% de certeza, mas uma pessoa amiga que está pronta para me ensinar sobre muitas coisas. Sobre muitas coisas da vida que ele já viveu e que eu, em minha redoma de vidro, nunca tive acesso. Por um lado sou grato em não ter tido contato com certas coisas que ele teve, mas existem outras que eu precisava passar e não passei, talvez isso tenha acontecido – ou não – por eu sempre viver o hoje como vivi o ontem. Sendo que devemos viver um dia de cada vez, sem querer apressar nada. Tudo tem seu tempo. É essa a ordem natural das coisas.

Nos últimos dias, depois de ter públicado a última edição do #MeuEspaço, comecei a sentir uma mudança nesse meu amigo, se assim posso chamá-lo. Sou uma pessoa que adora conversar, uma das minhas paixões é essa, principalmente quando a conversa está associada a aprendizado. Não gosto de conversar sobre algo fútil, precisa ter um porquê a minha conversa, nem que seja um simples motivo. Conversar com esse amigo, nos primeiros dias, me fez ver muitas coisas erradas que eu estava fazendo, por exemplo, viver o amanhã. Percebi que eu não vivo o hoje, mas sim o amanhã, porque faço planos demais, planejo a que horas vou estudar, o que vou assistir, para onde vou ir, o que vou ler, o que vou comer e até a que horas vou acordar.

A vida é passageira, é rápida demais para perdermos tempo – porque viver planejando é perda de tempo – com um futuro que é tão incerto. Que garantia tenho que vou estar vivo amanhã? Nenhuma. Nem eu, nem você. Não posso julgar as atitudes desse meu amigo como atitudes erradas, pois quem sou eu para avaliar as ações tomadas pelos outros? Pode ser que tudo, ou pelo menos muita coisa, seja relativo, mas sei que com os erros cometidos ele mudou. Mudou bastante. Isso, claro, se não for mais uma mentira dele, mas prefiro acreditar que é tudo verdade. Não encontrei motivos ainda para duvidar.

Viver é um eterno aprendizado, por isso a vida é uma escola e dela você não sai nunca, apenas quando morre. Acredito que seja essa a grande causa para Deus ter colocado esse “amigo” em meu caminho, para aprender coisas novas e, quem sabe, poder mudar alguns conceitos meus. E, com certeza, se eu tenho a aprender com ele, o mesmo deve ser recíproco. A verdade é que somos completamente diferentes. Água e vinho, preto e branco, doce e azedo. Ele vive o hoje, eu ainda vivo o amanhã; ele não se preocupa em estudar, eu penso no futuro dos meus estudos e das minhas notas; ele tem muitos amigos, eu tenho poucos; ele viveu a vida, até aqui, da maneira mais louca possível, eu vivi de forma mais pacata; ele adora carro e futebol, eu não entendo quase nada sobre esses assuntos.

É, o mundo é assim, pessoas diferentes – o que é ser completamente normal – convivem umas com as outras. Não garanto que seja em harmonia, porque isso pode não ser regra, mas exceção. A gente aprende todo dia. Colocar a cabeça no travesseiro e estar consciente que você passou por mais uma lição de vida é sinal de que tens vivido tudo a seu tempo, um dia por vez.

Até o nosso próximo encontro aqui no #MeuEspaço.

Crueldade e uma lição de vida

É sempre bom poder comentar as notícias que estão repercutindo na mídia e nos telejornais. Afinal, você e eu estamos colocando, dessa forma, em prática todo o nosso direito de opinar, até porque somos livres para pensar o que bem entendermos.

Na semana que passou um caso chamou não só a minha atenção, mas a de todo o país. A morte de 13 alunos de uma escola pública em Realengo, no Rio de Janeiro. Mas afinal, o que leva um ser humano, se assim o podemos chamar, a cometer um crime tão macabro?

Treze crianças, treze inocentes, treze pessoas que tinham muito a viver e que perderam suas vidas de uma forma tão banal. Com a morte dessas crianças, pais e mães, parentes, amigos e até desconhecidos ficam inconsoláveis, sem chão. Enquanto isso, os sonhos delas também se foram, assim como suas vidas.

Tudo foi premeditado por Wellington Menezes de Oliveira, 23 anos. O rapaz, que estudou na instituição (Escola Municipal Tasso da Silveira), escreveu antes de se suicidar uma carta em que relatava onde deveria ser enterrado e como [nu, envolto apenas por um lençol branco]. Na mesma carta escreveu ter o desejo que sua casa, onde vivia sozinho, fosse doada para alguma instituição que cuidasse de animais.

Em todo o texto, Wellington fala sobre mulheres e pureza, e de pessoas que se entregam em um ato sexual antes do casamento. Ele não tinha passagem pela polícia, mas soube manusear muito bem uma arma, um revólver calibre 38, para aniquilar a vida de crianças inocentes. Não há resposta, ainda, para o que teria levado o jovem a cometer tamanho desatino. Por enquanto, o que temos de concreto é que os familiares desses pequenos têm chorado todos os dias, lamentando uma perda irreparável.

Porém, e com a graça de Deus, nem tudo é crime, tristeza e lamentação. A vida também é feita de bons exemplos, e em meio a dias tão sombrios, acho que vale a pena destacar a honestidade de um homem que devolveu R$ 140 mil reais que haviam sidos depositados em sua conta.

Honestidade devia ser regra, não exceção, mas como é exceção sempre que presenciamos um fato como este, ficamos felizes por saber que ainda há pessoas que a praticam. Bons exemplos devem ser seguidos, quisera que nossos telejornais tivessem sempre notícias como a de seu João Vanderlei.

Acredito que nos faz bem ouvirmos e vermos fatos como este, em que nem tudo se resume a dinheiro, até porque a vida não se resume em bens materiais e rios de dinheiro. É importante? É, mas não é tudo. O dinheiro preciso para sobrevivermos, para podermos comprar nossos alimentos, nos sustentar, investir na educação dos filhos e na nossa e com tantos outros fins, mas o necessário para viver é termos amor um para com o outro, respeito, dignidade, honestidade e estarmos rodeado de pessoas que nos amam. Isso é o mais importante e é no que menos as pessoas dão valor.

* Deixe sua mensagem através dos comentários ou no e-mail do blog: nossaconversa@hotmail.com.br

Cereal controla hipertensão masculina

Gente, estou aqui para poder trazer uma notícia muito boa, especialmente para os homens. Você já deve fazer ideia do que se trata o assunto de hoje aqui no blog, não é mesmo? Pois é, vamos falar sobre saúde, o que é sempre muitíssimo importante para todos nós. Seja homem ou mulher, criança ou adulto.

Na semana passada, bem quando cheguei do colégio, resolvi procurar algumas reportagens e/ou matérias que fosse interessantes para serem postadas aqui no “Nossa Conversa”. Desde a estreia do blog venho falando sobre televisão, literatura e entre outros temas, mas decidi me direcionar para o campo do bem estar de cada um e, hoje, vou falar sobre essa pesquisa feita nos EUA.

Bisbilhotando o site da revista Veja (aliás, adoro sites de revistas com essa) encontrei uma reportagem sobre o consumo do cereal. Comer o equivalente a uma vasilha de cereal, principalmente se for integral, todas as manhãs, pode reduzir em um quinto as chances do homem vir a sofrer de hipertensão.

Os cereais são riquíssimos em fibras. Segundos os pesquisadores da Northwestern Medicine, dos Estados Unidos, os ganhos (que é o aumento de chances da pessoa nao sofrer de hipertensão) residem na maneira pela qual são consumidos – com frutas, leite e sem adição de gordura saturada, sódio e açúcar em exceço.

Um detalhe muito importante: quando ingerir os cereais lembre-se também de adicionar alguns itens que ajudam com o controle da pressão arterial. Os itens são: nozes, frutas, uva passas e leite, pois oferecem ao organismo quantidades de fibra e potássio.

A PESQUISA

Só se pôde chegar a esse resultado após os pesquisadores analisarem 13.000 homens durante 17 anos. Essas pessoas tinha por volta dos 52 anos no início da pesquisa. Mais da metade dos avaliados desenvolveram hipertesão. Já os que consumiam os cereais, de maneiras diferentes, tiveram redução nas chances de contrair a doença.

Uma vez por semana – Risco 7% menor
Entre duas e seis vezes por semana – 11%
Todos os dias – 19%

Depois da pesquisa feita com os homens, os mesmos pesquisadores agora querem repetir a dose, porém com as mulheres. Estamos, com certeza, na torcida para que o resultado seja positivo também com pessoas do sexo feminino. Agora é esperar e torcer!

Até a nossa próxima conversa. Beijos e até lá!

* Deixe sua mensagem através dos comentários ou no e-mail do blog:
nossaconversa@hotmail.com.br